Governo define parceria para elevar o patamar de desenvolvimento científico e tecnológico do estado

Governo define parceria para elevar o patamar de desenvolvimento científico e tecnológico do estado
setembro 14 12:56 2016

desenvolvimento-científico-sectiO Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), e o Instituto de Ensino e Pesquisa Santos Dumont (ISD) devem assinar um termo de cooperação técnica com o objetivo de desenvolver ações colaborativas envolvendo, também, o Instituto de Educação, Ciência, Tecnologia do Maranhão (Iema). A ideia é elevar o patamar de desenvolvimento científico e tecnológico do estado.

De acordo com o secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, Jhonatan Almada, com a assinatura do termo de colaboração o Governo do Maranhão vai desenvolver três grandes projetos: o ‘Iema Ciência’; o encaminhamento de pesquisadores e estudantes da área de neuroengenharia para Natal; e o desenvolvimento de cursos técnicos no Iema de São Luís na área de neuroengenharia.

“Em primeiro lugar, vamos desenvolver o projeto ‘Iema Ciência’, que foi lançado em Caxias no início de mês, com a oferta de educação científica para alunos do ensino fundamental da rede pública. Queremos implantar um programa piloto no Iema vocacional da cidade”, explicou o secretário, lembrando que o encaminhamento de pesquisadores e estudantes para Natal deve contar com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema).

“A terceira frente de atuação seria o desenvolvimento de cursos técnicos no Iema de São Luís na área de neuroengenharia, o que deve deixar o Maranhão em situação de destaque”, disse Jhonatan Almada, que comentou a parceria com o ISD e os trabalhos desenvolvidos pelo Instituto nas áreas da pesquisa e da educação científica. 

Do ponto de vista da pesquisa, o Instituto está numa área de fronteira do conhecimento com trabalhos de nível internacional, o que eleva o Nordeste e o Brasil a um patamar de avanço científico e tecnológico, sobretudo no sentido de alcançar a cura ou a melhoria no enfrentamento de inúmeras doenças degenerativas do sistema nervoso. “No que diz respeito ao trabalho na área da educação científica, o ISD desenvolve um projeto pedagógico pioneiro que consegue muito mais do que ensinar ciência, ensinar com a ciência, fazendo com que os alunos tenham grande capacidade de pensar criticamente, resolver problemas e se posicionar diante do mundo”, explica o secretário.

Jhonatan Almada revelou que um dos principais métodos de trabalho adotados pela Secti é aprender com quem é melhor no Brasil e no mundo na área de atuação da secretaria e do Iema. “O método é conhecer e aprender com os melhores, para que possamos errar menos e nos posicionar de forma mais efetiva do que se estivéssemos trabalhando sozinhos”.

Jhonatan Almada informou que, a partir de agora, uma equipe de coordenação será criada para tomar as providências necessárias para que o termo de cooperação técnica entre o Governo do Maranhão, o ISD e o Iema seja logo assinado.

“O Maranhão vive um momento significativo de ruptura porque, a partir do eixo da ciência, tecnologia e inovação, estamos articulando parcerias de alto nível para o Estado. Essa com o ISD é mais uma grande conquista”, concluiu o secretário.

ISD

Organização social qualificada pelo Ministério da Educação por meio do Decreto Presidencial de 27 de fevereiro de 2014, o Instituto de Ensino e Pesquisa Alberto Santos Dumont – ISD está presente em três áreas de atuação: o Centro de Educação e Pesquisa em Saúde Anita Garibaldi, o Instituto Internacional de Neurociências Edmond e Lily Safra (IIN -ELS), e o Centro de Educação Científica.

O diretor geral do ISD, Theodoro Paraschiva, informa que o Centro de Educação e Pesquisa em Saúde é especializado em saúde materno infantil. “A ideia é dar condições para a redução da mortalidade infantil e da mortalidade materno infantil”.

O Centro de Educação e Pesquisa em Saúde, Anita Garibaldi, está localizado na cidade de Macaíba, no Rio Grande do Norte, uma região carente no que diz respeito ao cuidado com o pré-natal. O Centro forma profissionais para a área da saúde. “Aqui é como se fosse uma escola para enfermeiros e médicos”, explicou Theodoro Paraschiva.

Diretor Paraschiva conta que o Centro de Educação Científica recebe alunos do fundamental dois que, no contraturno da escola, com outra metodologia de ensino, aprendem ciência. “Além disso, busca a formação dos profissionais da educação”, explicou Dora Montenegro, diretora dos Centros de Educação Científica (CECs).

O Instituto Internacional de Neurociências Edmond e Lily Safra oferece o curso de pós-graduação em neuroengenharia, o primeiro do Brasil. Edgard Morya, coordenador de pesquisas do IIN-ELS, explicou que o curso é interdisciplinar, com alunos das áreas biológicas e da saúde junto com alunos da engenharia. “Nossa preocupação é garantir o bem comum e a aplicação dos estudos e pesquisas na sociedade”.

  Categorias: