Missão Confap inicia em Paris com rodada de apresentações

Missão Confap inicia em Paris com rodada de apresentações
novembro 16 17:35 2016

confap-francaA primeira reunião da missão do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap) na França foi realizada no Ministério da Educação Nacional, do Ensino Superior e da Pesquisa, em Paris, na última segunda-feira, dia 14, e teve como tônica o reconhecimento, por parte de autoridades francesas, da importância da cooperação científica entre os dois países.

“O Brasil é um parceiro universitário importante e nossa cooperação é antiga e sólida. Estudantes franceses representam o primeiro contingente acadêmico europeu que se desloca ao Brasil e publicam mais de 1200 artigos por ano”, afirmou Marie Revel, do setor de Parcerias Universitárias e Científicas do Ministério de Assuntos Exteriores e de Desenvolvimento Internacional da França.

Segundo o Conselheiro da Embaixada do Brasil na França, acrescentou Cesario Alexandria, encarregado da cooperação em CT&I, desde a implementação do programa Capes-Cofecub, há 38 anos, três mil doutores brasileiros se formaram na França.

Um acordo firmado em 2016 com o Centro Europeu de Investigação vai permitir ampliar a cooperação com a França, de acordo com o presidente do Confap, Sergio Gargioni. Ele apresentou a instituição e deu como exemplo de cooperação internacional o Fundo Newton, para o qual o Confap tem o compromisso de dar R$ 3 milhões. “Mas o Reino Unido fica atrás da França, tido como segundo país que mais coopera com o Brasil”, disse Gargioni.

Na sequência, Denis Despreaux, diretor do Ministério de Educação, falou sobre a situação da pesquisa em sua nação. “A França é o país que mais publica artigos conjuntos no mundo. Temos a maior taxa de sucesso dentro dos programas quadro (atualmente Horizonte 2010). Outra especificidade francesa é a presença de laboratórios no estrangeiro”, afirmou o diretor, mostrando o caso do CNRS-IMPA no Rio de Janeiro.

A terceira apresentação foi feita por Bernard Breyfus, presidente do Comitê Francês de Avaliação da Cooperação Universitária com o Brasil (Cofecub). Criado em 1979, tem como parceiros brasileiros CAPES e USP, e hoje resulta em seis teses defendidas por mês no Brasil ou na França. “O programa está aberto a todas as instituições de pesquisa,” anunciou.

Phillippe Martineau, conselheiro de Cooperação e de Ação Cultural adjunto e responsável da Cooperação Científica, Universitária e Tecnológica da Embaixada da França no Brasil, introduziu a rodada de apresentações de quatro organismos francesas de pesquisa, começando por Eloise Gransagne, responsável pela América Latina no IRD (Instituto de Pesquisa para o Desenvolvimento).

Entre os demais, estavam Jean Thèves, Diretor (para as Américas e Oceania) do CNRS; Carole Pierlovisi, do setor de Assuntos Internacionais e Europeus do Museu Nacional de História Natural; Philippe Petithuguenin, diretor geral delegado ajunto de Pesquisa e Estratégia do consórcio formado por CIRAD (Centro de Cooperação Internacional em Pesquisa Agronômica para o Desenvolvimento) e INRA (Instituto Nacional de Pesquisa Agronômica) equivalente ao Embrapa brasileiro.

A missão prossegue até sábado, dia 19, incluindo paradas em Montpelllier e Bordeaux. O diretor-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema) acompanha a comitiva.

  Categorias: