Pesquisadores farão melhoramento genético de frutas amazônicas

Pesquisadores farão melhoramento genético de frutas amazônicas
outubro 28 12:42 2009

Um projeto para fazer melhoramento genético de frutas amazônicas acaba de ter financiamento aprovado pelo governo federal. O foco inicial são o camu-camu, o taperebá e o araçá, todas frutas com alto teor de vitamina C.Araca

Como explica o coordenador Edvan Alveso, da Embrapa, o trabalho inclui a criação de um banco de germoplasma – um pomar com diversos exemplares de cada espécie, que permitirá a seleção e cruzamento visando à criação de plantas mais apropriadas para a agricultura comercial. “Até o momento não há nada definido para técnicas de propagação (cultivo) dessas espécies. Ainda é extrativismo. Não existe um sistema de produção para essas fruteiras”, aponta.

Também será feita a análise genética dos vegetais, permitindo conhecer a variabilidade de cada espécie e, posteriormente, o emprego da biotecnologia para obter espécimes mais resistentes e produtivos.

“Conhecer a variacamu-camubilidade genética é importante para o melhoramento”, observa Alves. Segundo ele, a pesquisa é uma forma de avançar na domesticação das frutas, que hoje são exploradas ainda de forma rudimentar em comparação a outras espécies melhor dominadas pelo homem. O camu-camu, por exemplo, é encontrado na natureza com teor de vitamina C entre 2000 a 6000 miligramas por 100 gramas de fruta. Com a pesquisa, será possível ter plantas.

Outro passo fundamental da pesquisa, explica o funcionário da Embrapa, será a criação de condições para a produção de mudas em laboratório, proporcionando maior produtividade e qualidade para seu cultivo.

A adaptação das plantas aos diferentes ambientes de Roraima – floresta tropical, cerrado e áreas de transição entre ambos biomas – também será observada. Alves salienta, no entanto, que os resultados obtidos serão úteis para agricutores em toda a Amazônia.

O projeto começa a ser realizado em novembro em Boa Vista por meio de uma parceria da Embrapa Roraima e da Embrapa Amazônia Oriental com o Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (Inpa), a Universidade Federal de Roraima, a Universidade Estadual de Roraima e a Escola Agrotécnica de Roraima.

 

  Categorias: