Qualificação em Libras reforça atendimento humanizado em maternidades do Maranhão

março 15 12:34 2018

 

Fonte: SES
Texto: Michel Sousa
Fotos: Marcio Sampaio
15/03/18

Vinte e quatro profissionais ligados às maternidades estaduais em São Luís concluíram a primeira turma do Projeto Saúde em Libras, ação integrada da Secretaria de Estado da Saúde (SES) e Escola Técnica do SUS, que garantiu o fortalecimento de um dos princípios fundamentais do Sistema Único de Saúde (SUS), a universalidade.

Os participantes tiveram noções básicas de Libras e sinais de saúde durante 10 semanas de capacitação – com aulas duas vezes por semana.“Hoje é um marco para a história do Maranhão. É um dia extremamente importante e, particularmente, estou muito feliz, porque se quebra a barreira da comunicação entre pessoas surdas e pessoas ouvintes. Finalizamos um curso de 40 horas com noções básicas de Libras para acolher e tratar bem a pessoa surda, mas também iniciamos um novo ciclo lá dentro das unidades de saúde destes profissionais”, afirmou a coordenadora da Comissão de Atenção à Saúde da Pessoa com Deficiência da SES, Nelbe Maria de Amorim.

Os alunos capacitados realizaram uma emocionante apresentação em Libras nesta segunda-feira (12), no encerramento da primeira turma do Projeto Saúde em Libras. “Estou emocionada e muito orgulhosa desta primeira turma. É uma vitória para mim como educadora, mas principalmente para esses alunos guerreiros que se empenharam a aprender”, disse a professora e intérprete Lourdes Correa.

“É preciso entender que existem outras línguas além da fala, como, por exemplo, a língua de sinais. Esperamos que, com o curso, os profissionais da saúde possam entender melhor as necessidades, anseios e expectativas da pessoa surda, podendo assim, facilitar o atendimento a essas necessidades com maior clareza. Estou muito feliz com a qualidade e o empenho de cada aluno”, afirmou o professor de Libras Thiago Muniz.

Por meio da iniciativa, os profissionais de saúde das unidades estaduais, sejam elas de urgência e emergência, alta complexidade ou saúde mental, entre outros, puderam receber treinamento para se comunicar na Língua Brasileira de Sinais (Libras), qualificando o atendimento de pessoas surdas na rede pública estadual de saúde. “Eu sempre fui a favor da inclusão, por isso fiz questão de participar desse curso de Libras para aprimorar meus conhecimentos e ter como exercer minha profissão da melhor maneira possível. Quero me aprofundar mais ainda em Libras, porque vai além do profissional, fica para vida inteira”, afirmou a aluna Lenise Adele, enfermeira da Maternidade Benedito Leite.

A telefonista da Maternidade de Alta Complexidade do Maranhão, Milka Oliveira, também é uma das alunas formadas nesta primeira turma do Projeto Saúde em Libras. Para ela, a abertura do curso foi essencial para quebrar as barreiras na comunicação. “Foi de grande relevância estar aqui. É um momento impar para cada um de nós e agradecemos a oportunidade que nos foi dada. Hoje tenho condições de me comunicar e orientar os pacientes surdos de acordo com a necessidade de cada um deles”, destacou.

Esta semana haverá o encerramento da segunda turma, também na Maternidade de Alta Complexidade do Maranhão, enquanto que no dia 28 termina o curso no Hospital Carlos Macieira.

Projeto Saúde em Libras

O Projeto Saúde em Libras, ação integrada da SES e Escola Técnica do SUS, tem garantido que um dos princípios fundamentais do SUS, a universalidade, se fortaleça no Maranhão. O projeto pioneiro no estado já tem garantido que mulheres surdas tenham o acompanhamento profissional que se expresse em Libras em maternidades de São Luís.

Para melhorar o atendimento aos pacientes com deficiência auditiva, a SES iniciou o projeto no dia 6 de fevereiro com o objetivo de realizar a capacitação para funcionários no Curso de Libras. A Língua Brasileira de Sinais é usada pela comunidade de surdos no Brasil e já foi reconhecida por lei como uma língua oficial, assim como a língua falada.

  Categorias: