Série “Mulheres de Ciência” para reverenciar o 8 de março, Dia Internacional das Mulheres

Série “Mulheres de Ciência” para reverenciar o 8 de março, Dia Internacional das Mulheres
março 06 17:48 2018

Tálity Makerly Sousa de Oliveira

Graduanda em Direito pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Defendeu monografia com o tema: “Casamento infantil: uma análise do suprimento judicial de idade para casamento em razão da gravidez e o estupro de vulnerável”.Foi estagiária na Defensoria do Estado do Maranhão, nas áreas de família, criminal e consumidor. 

“Nós mulheres somos responsáveis por aproximadamente metade da produção científica no Brasil (ELSEVIER, 2017), apesar das dificuldades sociais que nos atingem diretamente, como a dupla jornada e a gravidez. A ciência deve ser feita também por mulheres e para mulheres, pois nós temos necessidades e perspectivas diferentes que não podem ser esquecidas no progresso científico.Quem de nós nunca ouviu que homem não gosta de mulher inteligente demais? Frases como essa são utilizadas para reforçar o ideal de que o principal papel da mulher é o casamento, cuidado do lar e dos filhos. Quase 79% da população brasileira concordam que toda mulher sonha em se casar (IPEA, 2014). Quando a mulher decide se ocupar da pesquisa científica, comumente ela tem de provar que é extremamente competente, como se ser mulher fosse indicativo de inferioridade intelectual. Nesta semana, em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, é preciso lembrar que todas nós temos o direito de ocupar espaços públicos, especialmente, no desenvolvimento das ciências. Pesquisar também é coisa de mulher”.

  Categorias: