Bolsista da FAPEMA vai para Espanha pelo Ciência sem Fronteiras

julho 25 13:51 2013

Reconhecido como um dos programas que mais busca a promoção, a consolidação, a expansão e internacionalização da ciência, tecnologia e inovação brasileira, o Ciência sem Fronteiras ano após ano, vem premiando com bolsas alunos de graduação e pós-graduação que se destaquem em atividades de pesquisa.

O objetivo do programa – que é fruto do esforço conjunto do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação e do Ministério da Educação, através do CNPq e da Capes – é atrair aqueles que se sintam interessados em promover o conhecimento científico e impulsionar a competitividade brasileira por meio do intercâmbio e da mobilidade internacional.

O programa prevê a utilização de até 75 mil bolsas em quatro anos para promover esse intercâmbio, de forma que os alunos façam estágios no exterior com a finalidade de estabelecer contato com sistemas educacionais competitivos em relação à tecnologia e a inovação.

Na edição 2013, uma estudante do curso de Agronomia da Universidade Estadual do Maranhão está entre as contempladas pelo programa Ciências sem Fronteiras. A partir do próximo dia 3 de setembro, Bruna Fernanda Silva de Sousa, passará a ter aulas no curso de Engenharia Agrícola na Universidade Politécnica de Madri, na Espanha. O intercâmbio vai durar um ano.

Até ser aprovada, a universitária passou por teste de proficiência em língua espanhola; seleções pelo CNPq e pelo departamento de Educação da Espanha; e teve avaliado itens como o currículo lattes, histórico escolar e o índice de desempenho acadêmico. Para ela, a aprovação foi uma grande conquista. “A mobilidade é uma oportunidade maravilhosa para conhecer outras culturas, aprender novas línguas, sistemas e conhecimentos, aproveitando tudo ao máximo para depois trazer o que tiver de melhor para o Brasil”, afirmou.

Envolvida com o universo da pesquisa, a estudante já havia sido contemplada no ano passado como bolsista do BATI – Bolsas de Apoio Técnico a Projetos de Pesquisa Científica e Tecnológica, da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão – FAPEMA, com orientação da Profª Drª Maria Célia Pires Costa, uma das maiores incentivadoras de sua participação na seleção do Ciência sem Fronteiras.

Dentre os trabalhos que desenvolveu, ela participou do projeto de “Caracterização dos lipídeos do óleo de babaçu, conforme a região de origem no estado do Maranhão, e estudo do seu potencial para uso em emulsões cosméticas da REDEBIO”.

Informações sobre o programa Ciências sem Fronteiras podem ser obtidas no endereço eletrônico: www.cienciasemfronteiras.gov.br

 

  Categorias: