Ceitec pode auxiliar governo em plano integrado de informação

Ceitec pode auxiliar governo em plano integrado de informação
março 04 12:37 2010

Desenvolver tecnologias para rastrear medicamentos, hemoderivados, mercadorias em geral, encomendas, produtos agrícolas, veículos e até armas produzidas para a polícia. Ou ainda, utilizar circuitos integrados (chips) em sistema para documentos oficiais, em especial, carteira identidade, cartão do Sistema Único de Saúde (SUS) e passaporte. A partir daí, montar um plano nacional e integrado, de Identificação por Rádio Freqüência, para facilitar a troca de informações entre órgãos públicos e até dinamizar o trabalho de fiscalização e de combate a crimes; como falsificação de produtos, roubo e clonagem.

As propostas foram apresentadas em reunião, nesta quarta-feira (3), no Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), com a participação de representantes de ministérios e de instituições governamentais que têm projetos ou tenham interesse em adotar tecnologias na área de atuação.

Foram discutidos os possíveis mecanismos e programas, sob a responsabilidade do governo Federal, que possam utilizar a capacidade de produção no Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada (Ceitec/MCT), empresa estatal considerada referência em pesquisa e em produção de circuitos integrados. reuniao_ceitec

O encontro foi conduzido pelos secretários Executivo do MCT, Luis Antônio Elias, e de Políticas de Informática (Sepin), Augusto Gadelha, e teve a presença do ministro das Cidades, Márcio Fortes, e do assessor especial da Casa Civil, André Barbosa Filho, além do presidente da Ceitec, Eduard Weichselbaumer, que fez uma apresentação das instalações e dos produtos já desenvolvidos pelo Centro. Entre eles o Chip do Boi, brinco utilizado para o rastreamento dos bovinos desde a fazenda até o frigorífico.

Questionado sobre a capacidade da Ceitec de atender a demanda, o presidente afirmou que a empresa tem condições de reduzir custos com a tecnologia nacional e pode, inclusive, estabelecer parcerias. “Podemos utilizar fábricas de terceiros, capacidade não é problema. É preciso ter projetos bem definidos e específicos para ampliar a participação no mercado, esclareceu destacando ainda o potencial competitivo e a especialização técnica do Centro. “Contamos com uma equipe de padrão internacional com experiência de mais de 15 anos na área de semicondutores”, ressaltou.

O ministro Márcio Fortes frisou a importância da adoção do rastreamento de veículos em âmbito nacional, medida já adotada em alguns estados. “A intenção é que possamos controlar todos os veículos em circulação pelas cidades e identificar os roubados e clonados. Quem tem licença para clonar, tem licença para matar”, disse.

O secretário Elias e o assessor Barbosa Filho, sustentaram a importância da avaliação de soluções em cada ministério ou órgão envolvido para que se possa montar uma base de informações e projetos concretos para a próxima reunião ministerial do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 

O secretário Gadelha informou que a intenção é apresentar soluções que possam ser utilizadas com o auxílio do Ceitec. “São projetos de grande magnitude e de interesse nacional que podem viabilizar a indústria de semicondutores no Brasil”, afirmou Gadelha, ressaltando que são muitos os desafios a serem superados. “Desafios de ordem tecnológica e jurídica (legal) que precisam ser avaliados pelo governo. O que se pretende é que, de alguma forma, os projetos de interesse nacional e que venham trazer a autonomia tecnológica do País possam ter um tratamento especial”, conclui.

Ceitec

O Ceitec é uma empresa pública federal ligada ao MCT, criada pelo decreto nº. 6638, de 10 de Novembro de 2008. O investimento feito pelo governo tem por um de seus objetivos principais o desenvolvimento da indústria eletrônica brasileira por meio da implantação de uma base sólida no setor de semicondutores.

O Centro, instalado em Porto Alegre (RS), tem um Design Center que reúne os melhores profissionais de desenvolvimento de chips digitais e analógicos. A fábrica, inaugurada em 2 de fevereiro último, é a única na América Latina, o que faz do Ceitec pioneiro na região.

A empresa está focada em três segmentos de mercado: RFID, Wireless Communication e Digital Multimedia. Já desenvolveu chips para rastreabilidade animal, o chip do boi, para modulação de TV digital e para automação industrial.

A família de chips desenvolvida pela empresa tem diversas aplicações, como rastreamento de paletes e mercadorias, pagamento eletrônico de pedágios, controle de bagagem e automação de aeroportos, identificação de medicamentos e outras diversas possibilidades. Além do segmento de RFID, atua em outros dois nichos de mercado: comunicações sem fios e multimídia digital.

  Categorias: