Contra as rugas, tecnologia de ponta

Contra as rugas, tecnologia de ponta
fevereiro 23 12:52 2010

O tratamento caseiro de rugas percorreu um longo caminho desde que nossas avós se lambuzavam com seus cremes. Essas antigas preparações ainda podem ser encontradas, mas, atualmente, correspondem a somente uma fração da vasta gama de produtos de beleza, vendidos com ou sem prescrição médica; um repertório que cresce à medida que os cientistas, em todo o mundo, correm contra o relógio (biológico), no intuito de encontrar caminhos para desacelerar o ritmo do tempo e as marcas que deixa na pele.

Competindo por uma fatia dos US$ 1,6 bilhão que os consumidores americanos gastam a cada ano em produtos contra o envelhecimento da pele, os maiores fabricantes de cosméticos do mundo passaram a empregar cientistas para pesquisar e desenvolver tecnologia antienvelhecimento, que será incorporada aos produtos. Já não basta mais simplesmente passar um pouco de creme na pele seca.

“Estamos tentando ganhar um conhecimento molecular mais profundo sobre o processo de envelhecimento da pele”, explica Jay Tiesman, biólogo e chefe do grupo de pesquisa sobre genoma da Procter & Gamble (P&G), que, nos Estados Unidos, fabrica produtos de beleza sob a marca Olay. Os pesquisadores estão explorando o uso de ferramentas biológicas, como células-tronco e desencadeadores de genes, para prevenir – ou mesmo reverter – a ação destrutiva do tempo.rugas

Conforme envelhecemos, as células normalmente começam a se regenerar de um modo mais lento e os fibroblastos produzem menos colágeno, proteína que mantém a pele firme e elástica. Essas mudanças podem ser aceleradas por fatores ambientais − como raios solares ultravioletas, poluição e fumo, que produzem radicais livres ou moléculas instáveis, lesionando de forma prematura o DNA (material genético) nas células.

Para evitar os sinais prematuros do envelhecimento, o mais eficaz é passar protetor solar, evitar fumar e manter uma dieta rica em frutas e vegetais, como amoras e alcachofras, alimentos que contêm antioxidantes − moléculas que podem impedir a lesão celular pelos radicais livres. O especialista em fotobiologia e vice-presidente sênior de pesquisa e desenvolvimento das Estée Lauder Companies, localizadas em Melville (Nova Iorque), Daniel Yarosh, afirma que, em uma tentativa de preservar a pele, a Estée Lauder e várias outras empresas estão agora incluindo antioxidantes em alguns cremes de uso tópico. Isso, no intuito de evitar os ataques dos radicais livres à epiderme (a camada mais externa da pele).

Os cientistas também estão explorando novas formas de aumentar a capacidade cutânea de reter umidade e de evitar que os germes entrem no organismo. “Queremos uma forte barreira para preservar as camadas vivas da derme [localizada abaixo da epiderme], evitando, assim, a desidratação cutânea e protegendo a pele de ameaças externas, como bactérias e outras coisas que entramos em contato diariamente”, elucida Greg Hillebrand, bioquímico e principal cientista da P&G.

Ele ressalta que os cientistas da Procter também estão examinando o DNA de células cutâneas provenientes dos braços e nádegas de mulheres de diferentes idades, em uma tentativa de se estabelecer quais genes tornam-se ativos e quais tornam-se inativos com a idade e quando expostos à luz, fumaça e outros fatores ambientais.

Enquanto isso, os investigadores dos laboratórios da L’Oréal conduzem uma pesquisa sobre o papel que as células-tronco adultas podem desempenhar no processo de envelhecimento. A esperança é estabelecer tratamentos destinados a manter essas células funcionando em sua plenitude.

“As células-tronco estão na origem da regeneração cutânea”, prediz Jacques Leclaire, bioquímico e vice-presidente da divisão de ciências da vida, da L’Oréal, em Clichy (França). Então, é importante entender como essas células se comportam durante o envelhecimento. Ele observa que a quantidade de células-tronco na pele permanece essencialmente a mesma, porém a sua função muda com o tempo. Com a finalidade de manter as células-tronco funcionando em seu estado ótimo, Leclaire afirma que sua equipe está tentando desenvolver produtos que protejam o “ambiente” celular, mais precisamente o local onde a epiderme e a derme (camada cutânea do meio) se encontram.

Outros pesquisadores exploram a conexão entre a pele e o ciclo circadiano (relógio biológico), para detectar se há um melhor horário para se passar certos cremes.

O ciclo circadiano coordena o reparo de DNA e células danificados, no organismo, o que se dá, principalmente, nos períodos de repouso. As investigações demonstraram que, conforme as pessoas envelhecem, os genes que afetam o ciclo circadiano saem de sincronia, diminuindo o reparo celular. Mary Matsui, diretora-executiva de pesquisa sobre aparência, da Estée Lauder, revela que os cientistas estão estudando os caminhos moleculares que as células cutâneas costumam percorrer para se comunicar com o relógio biológico, na tentativa de se conservar o perfeito funcionamento desse processo. A linha de produtos da Estée Lauder chamada Chronolux Technology contém uma seqüência de aminoácidos que ajuda na preservação de um ritmo saudável de reparo celular.

“Os dermatologistas trabalharam, até agora, sob a ilusão de que a formação de rugas e a lesão do colágeno são irreversíveis”, explica Yarosh. No entanto, pesquisas mostraram que um novo colágeno pode ser gerado – e a Estée Lauder e outras empresas alegam que estão desenvolvendo produtos que podem estimular essa produção.

A P&G, por exemplo, desenvolveu o Pal-KT, uma marca registrada para um tipo de peptídeo (fitas curtas de aminoácidos, as partículas construtoras de proteínas) utilizado pela empresa em sua linha Olay Pro-X, lançada no mercado no ano passado. Hillebrand argumenta que, durante os estudos, esses peptídeos enganaram as células cutâneas chamadas fibroblastos − produtoras de colágeno −, fazendo com que estas aumentassem a liberação da proteína gelatinosa. O motivo: quando ocorre a quebra do colágeno, há a produção peptídica, que é sentida pelos fibroblastos. Isto os estimula a fabricar um novo colágeno.

Outros ingredientes ativos fundamentais, que a P&G apontou como importantes armas no combate às rugas (e que a empresa acrescentou à sua linha Pro-X), são:

• Proprionato de retinil, variação patenteada do retinol (uma forma de vitamina A) e do ácido propiônico (um ácido graxo líquido) menos agressiva. “Exerce múltiplos efeitos sobre a pele”, explica Hillebrand. “Foi estudado quanto aos efeitos sobre a síntese de colágeno e a proteção por barreira.”

• A niacinamida, forma de vitamina B3, que, segundo Hillebrand, melhora a retenção de umidade, as linhas finas e a hiperpigmentação.

• A hexamidina, substância química também utilizada nos revestimentos de fraldas, ajuda a reter a umidade. Estudos mostram que também colabora com o aperfeiçoamento dos caminhos pelos quais os lipídeos (gorduras) viajam através das camadas cutâneas, melhorando, assim, a aspereza da pele.

 

Apesar do tempo e dinheiro empregados tanto pelas empresas, na pesquisa antienvelhecimento, quanto pelos consumidores, nesses produtos, o estado da sua pele deve-se muito aos seus genes – e de quão bem você a protege. Os cientistas da P&G comparam os traços cutâneos hereditários àqueles ligados à altura e à qualidade dos dentes. Esses traços guiam o indivíduo na direção certa, mas ele somente atingirá seu pleno potencial de altura com alimentação apropriada e terá dentes fortes com uma boa higiene dentária.

“Nossa pele é uma espécie de espelho impiedoso da nossa saúde interna”, diz Hillebrand. Para manter esse espelho em seu melhor estado, deve-se ter uma quantidade suficiente de sono, ingerir muita água, manter uma dieta balanceada, passar protetor solar e evitar fumar, excesso de álcool e estresse.

“Não se trata de deixar de envelhecer”, explica Hillebrand. “Mas enfrentar os anos de forma graciosa e bem-sucedida.”

  Categorias: