Edital “Projetos Estratégicos para o Maranhão” é apresentado aos pesquisadores maranhenses

Edital “Projetos Estratégicos para o Maranhão” é apresentado aos pesquisadores maranhenses
março 06 19:11 2012

REUNIO_06.03.12Aproximadamente R$ 20 milhões é o montante que será aplicado no financiamento de projetos de pesquisa que contribuam para a erradicação da pobreza extrema no Estado. Os detalhes do edital “Projetos Estratégicos para o Maranhão” foram apresentados, nesta terça-feira (06), pela secretária de Estado de Ciência e Tecnológica (Sectec), Olga Simão, e pela diretora da FAPEMA, Rosane Guerra, a coordenadores de programas de pós-graduação do Maranhão e pró-reitores de pesquisa e pós-graduação, que serão parceiros do governo do Estado na busca desse objetivo.

A reunião, que contou ainda com as participações dos secretários, Francisco Gomes (Desenvolvimento Social) e Alberto Franco (Planejamento Estratégico), foi realizada no Palácio Henrique de La Roque. “O governo entende que é de extrema importância a participação da academia, porque só com a ciência, tecnologia e inovação é que vamos conseguir realmente dar sustentabilidade aos projetos que estão sendo implementados ou que já estão em andamento, principalmente para esse programa de combate à pobreza extrema”, destacou a secretária Olga Simão.

“Esta é a primeira reunião de uma aproximação maior com a academia para poder se trabalhar os projetos em um modelo de pesquisa aplicada, de laboratórios vivos, onde a academia vai estar mais próxima das comunidades”, completou a secretária.

A diretora-presidente da FAPEMA disse que a reunião permitiu fazer uma inserção acerca dos indicadores do Maranhão: “O que nós somos e o que queremos que o Maranhão seja e o que pode ser feito para contribuir para que ele atinja as metas que todos almejam. A pesquisa tem um papel importante na promoção do desenvolvimento do Estado, no combate a pobreza, daí a governadora Roseana Sarney investir cada vez mais nesta área”, enfatizou Rosane Guerra.

A chamada do governo para o apoio dos pesquisadores maranhenses nesse projeto foi atendida prontamente pela academia. O pró-reitor de pesquisa e pós-graduação da UFMA, Fernando Carvalho, disse que os programas estratégicos do Estado, onde serão destinados recursos para projetos executados em parceria com as universidades e as demandas do governo do Estado, é importante para todos os integrantes dessa nova forma de procurar reduzir a pobreza no Maranhão. “A UFMA, junto com a SECTEC e a FAPEMA, vai trabalhar para desenvolver projetos prioritários dentro desse programa”, garantiu.

O pró-reitor de pesquisa e pós-graduação, Porfírio Guerra, da Universidade Estadual do Maranhão, também confirmou o compromisso dos pesquisadores da instituição em contribuir com o governo na busca da erradicação da pobreza no Maranhão. “A universidade, através dos pesquisadores, tem um papel muito importante e de muita responsabilidade na orientação dos trabalhos de pesquisa e de extensão a contribuir para diminuição desse índices”, observou.

REUNIO_06.03_010Maranhão sem miséria – Os projetos que serão financiados por meio do edital “Projetos Estratégicos para o Maranhão” estão concatenados com diretrizes do governo federal. A agenda de ações de combate à pobreza que está sendo definida pelo governo do Maranhão será pactuada às já existentes no Ministério de Desenvolvimento Agrário. O principal eixo a ser contemplado é o de inclusão produtiva.

O secretário Alberto Franco, que coordena o projeto de combate a pobreza extrema do governo, disse que a integração de cientistas e pesquisadores nesse projeto, na elaboração de editais, irá refletir na mudança da produção do Estado, agregando a ciência e a tecnologia em todas as áreas. “Tenho certeza que muito em breve vamos colher os frutos desse trabalho”, destacou. Alberto Franco adiantou que a primeira etapa do Programa Maranhão sem Miséria estará pronta até julho.

Os Projetos de Erradicação da Pobreza Extrema no Estado, elaborado com o apoio de técnicos da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, já têm definidos quatro linhas de atuação: agricultura familiar, pesca, carcinicultura e preparação técnica e profissional aos jovens maranhenses, segundo informou o secretário Francisco Gomes. “Temos cerca de 1,7 milhão de pessoas vivendo na extrema pobreza no Maranhão. Precisamos estar voltados para isso. O governo vai investir, este ano, R$ 250 milhões na inclusão produtiva desta camada mais pobre”, disse o secretário.

  Categorias: