Fórum Nacional discute a importância dos Parques Tecnológicos

Fórum Nacional discute a importância dos Parques Tecnológicos
julho 24 14:36 2012

Teve início nesta segunda-feira (23), o Fórum Nacional do Consecti (Conselho Nacional de Secretários Estaduais para Assuntos de Ciência, Tecnologia e Inovação) e Confap (Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa). O objetivo do encontro é debater políticas públicas capazes de alavancar o setor de Ciência, Tecnologia & Inovação no Brasil.

O evento, que acontece no Hotel Luzeiros, de 23 a 25 de julho, está sendo promovido pelo Governo do Estado, por meio da Secretária de Estado de Ciência e Tecnologia e da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Estado do Maranhão (FAPEMA), e reúne secretários estaduais de ciência e tecnologia de todo o Brasil e presidentes das fundações de amparo à pesquisa dos estados.

O primeiro dia de palestras teve como assunto principal a discussão de estratégias para o fortalecimento dos Parques Tecnológicos do Brasil e sua importância para o desenvolvimento econômico e social do país.

FOTO13O Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, Álvaro Toubes Prata, desenhou o cenário científico-tecnológico no Brasil. Durante a explicação, ele enfatizou a quantidade de programas voltados para o desenvolvimento do setor e mostrou preocupação com o desconhecimento dessas medidas pela maior parte da população, que ainda não se convenceu do papel da educação no país e, por conseguinte, do da ciência e tecnologia, o que faz com que, inclusive, as empresas privadas brasileiras invistam muito pouco em pesquisa e desenvolvimento, diferentemente dos países desenvolvidos. “Em 2010, apenas 639 empresas se beneficiaram com a Lei do Bem, que prevê incentivos fiscais para empresas inovadoras. O Brasil precisa despertar para a cultura de inovação, já é provado que temos capacidade pra isso”, disse, pedindo a cooperação das FAP’s e Secretarias de Estado na unificação e fortalecimento dessas políticas de incentivo.

Francilene Procópio Garcia, Presidente da Anprotec (Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores, que representa os interesses das incubadoras de empresas, parques tecnológicos e empreendimentos inovadores no Brasil), assegurou que os avanços já foram muitos durante os 25 anos da entidade, mas ainda é necessário o desenvolvimento de políticas públicas efetivas para fomentar desde a fase inicial até a consolidação desses instrumentos. “É preciso ter dimensão da importância de uma nova geração de empreendimentos com DNA diferenciado com a implantação de parques tecnológicos”, afirmou.

Segundo a Anprotec, existem 94 iniciativas de Parques Tecnológicas no Brasil, sendo que destes apenas 28 estão em operação. Durante o Fórum Nacional, alguns estados, como Santa Catarina, Rio de Janeiro, Pará, Pernambuco e Rio Grande do Sul, trouxeram suas experiências sobre a implantação de Parques Tecnológicos. “Este é o melhor instrumento para se concentrar empresas interessadas em pesquisa e desenvolvimento, atrair empresas de ponta nacionais e internacionais, estimular o crescimento urbano organizado e estratégico e fortalecer o empreendedorismo”, garantiu José Fiates, Diretor Executivo do Sapiens Park (SC).

Além dos cases apresentados, houve também a palestra do Presidente do Centro Nacional de Pesquisas da Itália, o professor Luigi Nicolais, que falou sobre as oportunidades científicas e tecnológicas entre o Brasil e a Itália.

Na terça (24), a programação do Fórum Nacional continua, trazendo uma das palestras mais aguardadas do evento: o papel das agências financiadoras para projetos de Parques Tecnológicos, que será ministrada pelo Diretor da Finep, Roberto Velmun, e mediado pelo presidente do Confap, Mário Neto Borges.

  Categorias: