Governo do Estado promove debate sobre propriedade intelectual e patentes

Governo do Estado promove debate sobre propriedade intelectual e patentes
maio 05 21:14 2016

foto workEvento teve o apoio da Fapema e aconteceu no Rio Poty Hotel, com participação de especialistas no tema e empreendedores

No segundo dia do workshop A importância do sistema de propriedade intelectual para o fomento da inovação no Estado do Maranhão, os participantes tiveram a oportunidade de conhecer e discutir temas relacionados às diversas etapas que envolvem o processo de pesquisas e criação, bem como de patenteamento de descobertas e tecnologias, por meio de palestras, mesas redondas e oficinas coordenadas por profissionais que são referência nas áreas em questão. O evento, que durou dois dias, foi também uma oportunidade de apresentar iniciativas de novos empreendedores no Maranhão.

A primeira parte do evento dessa quinta-feira (05/05) teve o comando de Aluízia Aparecida Cadori, coordenadora-geral de Articulação e Cooperação Nacional do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). A doutora em Engenharia e Gestão do Conhecimento abordou a Propriedade Intelectual como instrumento estratégico de fomento à inovação, oportunidade em que tratou de temas como pesquisa, viabilidade técnica, inovação, dentre outros. Segundo ela, é importante que se saiba a anterioridade do que se quer produzir. “Precisamos saber o que já foi feito e em que nível está a produção sobre o que nos interessa, para que saibamos de onde partir e para que não haja repetições”, alertou a especialista.

Para Aluízia Cadori, outra etapa importante é a que se dedica a avaliar a viabilidade técnica. Segundo ela, a inovação é fundamental, pois é necessário que se coloque no mercado um produto que seja absorvido, ou seja, a sociedade deve ser beneficiada. “O que se está produzindo deve ajudar a resolver problemas sociais”, explica a doutora reforçando que todo o processo de propriedade intelectual e de patenteamento envolve uma cadeia de ações que deve ser de domínio de quem se propõe a trabalhar na pesquisa e na criação de tecnologias.

A especialista destaca que, ao se tratar de propriedade intelectual, é indispensável que se tenha em mente a questão sobre o que é passível de proteção no material que está sendo desenvolvido e qual o melhor instrumento para fazer isso. “Informações contidas no Sistema de Patentes permite melhor interação com o sistema de inovação”, ressalta.

Iniciativas – Após a palestra de abertura, Rômulo Martins França apresentou o tema O Cenário das Startups no Maranhão, em que explicou o que é essa nova modalidade de empreendimento e como ele pode beneficiar a geração de empregos e o desenvolvimento do Estado. Utilizando conceitos de pesquisadores da área, o jovem presidente do Grupo Startup Maranhão ressaltou que essas são instituições humanas desenvolvidas para criar novos produtos ou serviços em condições de extrema incerteza. “Quer dizer, trata-se de um investimento de risco, pois não se sabe se haverá clientela para o que se está oferecendo”, explicou. Em contrapartida, Rômulo França destacou as vantagens. “As receitas são sempre superiores às despesas, pois os investimentos feitos nesse tipo de negócio são menores”.

Por conta disso, falou o presidente do Grupo Startup Maranhão, o número de interessados em desenvolver esse tipo de empreendimento vem crescendo, inclusive no Estado, “onde já se mapeou negócios do tipo em Imperatriz e São Raimundo das Mangabeiras, além de São Luís”, contou Rômulo, que revelou, ainda, que o Grupo está organizando o 1º Hangout do Startup Maranhão, quando virão à capital empreendedores que são referência na área para debater sobre o tema e quando será iniciada uma pesquisa para localizar outras cidades do Maranhão onde há empreendedores que utilizam essa modalidade de negócio.

A manhã de quinta-feira fechou com a mesa redonda Linhas de Crédito de Fomento à Inovação e Empreendedorismo – Instituições Financeiras Públicas, com representantes do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banco do Nordeste e Banco da Amazônia. O objetivo foi apresentar os diversos tipos de programas de financiamento destinados à área de inovação, bem como as condições se obterem crédito para o desenvolvimento de produtos.

Evento – O workshop A importância do sistema de propriedade intelectual para o fomento da inovação no Estado do Maranhão teve por objetivo potencializar a divulgação de pesquisas produzidas no Maranhão e sensibilizar pesquisadores para a importância da proteção de suas criações. “Esse evento tem uma importância extrema, pois consegue fazer com que a produção científica se aproxime da produção do mercado, da sociedade. Ele trabalha na linha da transferência da tecnologia e conhecimento”, afirmou o professor Alex Oliveira, diretor presidente da FAPEMA.

A propriedade intelectual, além de proteger a invenção, possibilita a visibilidade do conhecimento produzido no âmbito acadêmico e pelos inventores independentes, para que assim o invento possa chegar à sociedade.

  Categorias: