Governo realiza cerimônia de assinatura dos termos de outorga dos contemplados no Edital Ignácio Rangel

outubro 11 19:03 2017

ignacio-neiva-1O Governo do Maranhão, a Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) e a Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema) realizou na manhã desta quarta-feira, dia 11, no Salão de Atos do Palácio dos Leões, a cerimônia de assinatura e entrega dos termos de outorga dos contemplados no Programa de Apoio a Pesquisas Voltadas ao Desenvolvimento – Ignácio Rangel.

O edital tem como objetivo apoiar projetos de pesquisas voltados aos estudos e proposições sobre questões estratégicas para o desenvolvimento do Brasil e do Maranhão, resultando na produção de subsídios ao Poder Público nas esferas federal, estadual e municipal, por meio de bolsas e auxílios para professor visitante.

Segundo o diretor-presidente da Fapema, o edital Ignácio Rangel traz para o Maranhão 15 novos doutores pesquisadores que vão atuar diretamente na Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), Universidade Estadual da RegiãoTocantina do Maranhão (UEMASUL) e Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Esse novo apoio do Governo do Estado vai permitir que tenhamos pesquisadores que vão se dedicar ao desenvolvimento do Maranhão voltados e ancorados nas estratégias de desenvolvimento para o Brasil.

“É um passo importante para a pesquisa no Maranhão porque cada um dos pesquisadores doutores vai estar ligado a um professor supervisor. Então vamos discutir com realidades diferentes e dialogar com os professores visitantes de acordo com a nossa realidade, pensando numa maneira mais aplicada o desenvolvimento da pesquisa do estado”, explicou Alex Oliveira.

altDe acordo com o governador Flávio Dino, o edital Ignácio Rangel nasceu de uma inquietação quanto às várias pobrezas existentes. “Há várias pobrezas que devemos combater num estado tão massacrado como o Maranhão. Uma delas é, sem dúvida, estar na limitação do debate de ideias. E é isso que buscamos fomentar, apoiando as nossas universidades, garantindo que a Fapema cumpra a sua missão e dobrando o número de bolsas de pós-graduação no estado, porque acreditamos na importância dessas ações relativas à ciência e à tecnologia para combater todas as formas de pobreza e o edital Ignácio Rangel tem esse propósito”, destacou o governador.

A pesquisadora do Programa de Cartografia Social e Política da Amazônia da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), Sheilla Borges Dourado, foi contemplada pelo edital e desenvolve uma pesquisa sobre as agroestratégias do Maranhão para identificar como elas afetam os povos e comunidades tradicionais do estado. “A bolsa vai permitir que desenvolvamos atividades no interior do Maranhão junto às comunidades. A ideia é fazer não só uma pesquisa teórica, mas de campo, que possa contribuir também para o conhecimento da região e dos impactos e efeitos que todas essas atividades econômicas possam ter para essas comunidades. A gente tem trabalhado com quilombolas indígenas, quebradeiras de coco babaçu e nós acreditamos que essa pesquisa vai ser importante para levantar dados e conhecer essa realidade”, disse a pesquisadora.

altEDITAL NEIVA MOREIRA LIVROS

Durante a cerimônia de assinatura e entrega dos termos de outorga dos contemplados pelo edital Ignácio Rangel, também foi lançado o edital Neiva Moreira Livros, que tem como objetivo incentivar a divulgação técnico-científica de natureza inédita, por meio do apoio a partir da publicação de livros, coletâneas e catálogos em todas as áreas do conhecimento.

A cerimônia contou com a presença da professora, jornalista e cientista política Beatriz Bissio, nascida no Uruguai e naturalizada brasileira, foi casada com o jornalista e político Neiva Moreira. Além deste edital de apoio à publicação de livros, coletâneas e catálogos, o Prêmio Fapema deste ano homenageará Neiva Moreira, uma personalidade maranhense que contribuiu para a produção do conhecimento e formação de pessoas no Maranhão.

Beatriz Bissio foi uma das fundadoras da revista Cadernos do Terceiro Mundo, fundada em 1974, na Argentina. É professora do Departamento de Ciência Política do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IFCS/UFRJ), coordena o Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre África, Ásia e as Relações Sul-Sul (NIEAAS) e escreve para a revista Diálogos do Sul (http://operamundi.uol.com.br/dialogosdosul/).

“Essa visita ao Maranhão tem sido de emoções permanentes.É uma homenagem justa e oportuna ao Neiva Moreira.Nesse momento difícil que atravessa nosso país, o legado delenos dá algumas ferramentas importantes para pensar esse momento. Não podemos perder a confiança no povo brasileiro e a capacidade de encontrar caminhos e soluções com a sua criatividade. Com as suas energias, força e cultura, que a elite não reconhece, mas que têm profundidade. Agradeço ao governador Flávio Dino por ter colocado o nome do Neiva Moreira esse ano em primeiro plano”, ressaltou Beatriz Bissio.

  Categorias: