INT leva contribuições a Conferência Regional Sudeste de C&T e Inovação

INT leva contribuições a Conferência Regional Sudeste de C&T e Inovação
março 29 12:46 2010

Com uma atuação voltada para a inovação e o desenvolvimento tecnológico do setor produtivo, o Instituto Nacional de Tecnologia (INT/MCT), no Rio de Janeiro, participa da 4ª Conferência Regional Sudeste de Ciência, Tecnologia e Inovação, que se realiza amanhã (30) e quarta-feira (31), em Vitória (ES).

Participam do evento o diretor do Instituto, Domingos Naveiro, juntamente com os tecnologistas Eduardo Cavalcanti , coordenador da Rede Sibratec de Biocombustíveis, Valéria Said Pimentel, responsável pela área de Engenharia de Avaliações, e Fábio Belot Noronha, da área de Casolucoes_tecnologicastálise e Processos Químicos.

O INT também leva ao evento os resultados consolidados na Conferência Municipal de C,T&I do Rio de Janeiro, que será realizada hoje (29) no auditório do Instituto, numa promoção da Secretaria de Ciência e Tecnologia do Município do Rio de Janeiro.

A instituição mantém parceria com o setor produtivo, gerando e disseminando soluções tecnológicas inovadoras, oferecendo serviços técnicos especializados e certificando produtos. As atividades do INT refletem sua característica politécnica e sua orientação para a eficiência e competitividade da indústria nacional.

O INT tem tido uma atuação fortemente vinculada ao Sistema Brasileiro de Ciência e Tecnologia (Sibratec). Em nível regional, coordena a Rede Estadual de Extensão Tecnológica do Rio de Janeiro, além de participar do grupo de trabalho do MCT no Sibratec Extensão Tecnológica. Exerce ainda a coordenação geral das redes temáticas do Sibratec Serviços Tecnológicos de Produtos para a Saúde e de Biocombustíveis, e participa da Rede TIC -Produtos e dispositivos eletrônicos. Na rede Sibratec Inovação, coordena a Rede de Plásticos e Borracha e participa das redes de Biotenatol/Enzimas e de Bens de Capital. 

Impulsionado pela Lei de Inovação e pela atuação do seu Núcleo de Inovação Tecnológica, o INT tem alcançado um resultado significativo em pedidos de patentes. Em 2009, foram sete depósitos realizados no Brasil junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi) e mais seis depósitos de patentes internacionais. A transferência tecnológica também tem sido marcante na atuação do INT. Um dos inventos transferidos recentemente para uma indústria de Santo Antônio de Pádua, no noroeste fluminense, proporcionou o aproveitamento de resíduos de rochas ornamentais na produção de argamassa.

O fato também permitiu que, pela primeira vez, um servidor de uma unidade de pesquisa do MCT recebesse diretamente dos cofres públicos os royalties pela venda de uma tecnologia a uma empresa privada, viabilizando a aplicação da Lei de Inovação. O invento patenteado foi desenvolvido conjuntamente com o Centro de Tecnologia Mineral (Cetem/MCT).

Abrangendo áreas de atuação como processamento e caracterização de materiais e catálise e processos químicos, a nanotecnologia tem estado presente nos novos materiais desenvolvidos pelo INT. Nanopartículas de polímeros biocompatíveis que liberam controladamente no pulmão medicamentos contra a tuberculose, biomateriais com porosidade controlada que melhoram a fixação dos implantes cirúrgicos, nanomembranas capazes de eliminar desde o sal da água do mar até substâncias tóxicas do sangue são algumas das tecnologias desenvolvidas recentemente.

Na área de biocombustíveis, o INT tem diferentes ações de desenvolvimento tecnológico. Coordenando o grupo temático de caracterização e controle da qualidade da Rede Brasileira de Tecnologia do Biodiesel, o trabalho desenvolvido por meio da área de energia inclui a elaboração do projeto de capacitação instrumental dos laboratórios dessa rede. O Instituto investe ainda na avaliação das características dos diversos tipos de biodiesel em condições simuladas de armazenagem.

Em outra vertente, desenvolve novas tecnologias para produção de etanol de segunda geração a partir do processamento bioquímico de bagaço e palha da cana-de-açúcar. Por meio de novos catalisadores lançadas ainda as bases para converter biomassa, gás natural e etanol em hidrogênio e outros combustíveis com maior produtividade e menor impacto ambiental.

Um projeto importante no INT tem sido a coleta de medidas antropométricas dos trabalhadores da área de petróleo e gás. Realizado em parceria com a Petrobras, com recursos do CTPetro, repassados pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finp/MCT), o trabalho possibilitou a compra de dois scanners tridimensionais a laser. O equipamento, primeiro do gênero na América Latina, levanta as medidas precisas da superfície corporal da população ocupada nessas unidades. A partir desses dados, são realizadas simulações da atividade humana em cenários virtuais, gerando subsídios para mapear riscos, otimizar a produtividade e assegurar a segurança dos trabalhadores.

O INT tem também programas especiais para atendimento tecnológico às empresas. É o caso do Programa de Apoio Tecnológico à Exportação, o Progex, oferecido no Rio de Janeiro, que capacita empresas para exportarem. Entre 2002 e o início deste ano, o Progex-RJ já efetuou 209 atendimentos. Em outra vertente, por meio do Projeto Unidades Móveis (Prumo), o INT oferece auxílio tecnológico específico às micro e pequenas empresas de transformação de plástico do estado. Com recursos da Finep e apoio do Sebrae-RJ, o atendimento visa a adequar as empresas aos padrões de processo, reduzir custos de produção e perdas de matérias-primas, além da melhoria da qualidade dos produtos, incrementando a produtividade e competitividade das empresas.

Outro resultado do INT tem sido na área de desenvolvimento social, com repasse de tecnologias assistivas e de inclusão social. Um colete, desenvolvido pela área de Desenho Industrial melhora as condições de vida de pessoas com deficiências. O protótipo inicial do produto foi obtido a partir de modelo tridimensional baseado em dados de tomografia computadorizada, e permitiu a sustentação da coluna vertebral de um menino portador de paralisia cerebral, escoliose acentuada e quase nenhum tônus muscular.

A biblioteca do Instituto, por sua vez, inaugurou o projeto Acessibilidade aos conteúdos, serviços e informações dos acervos físico e digital das Unidades de Pesquisa do Ministério da Ciência e Tecnologia, firmado entre o MCT, por meio da sua Secretaria de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social (Secis) e a Ong Acessibilidade Brasil.

A tecnologia produzida pelo INT é, assim, utilizada também com o objetivo de transformar a realidade de populações marcadas pela exclusão social, gerando alternativas de trabalho, renda e interação com o meio ambiente. Nessa linha, o Instituto desenvolve importantes soluções, como o sistema que transforma garrafas PET em móveis e estofados. Além de uma alternativa de negócio para comunidades carentes, o projeto contribui para reduzir a poluição causada por materiais plásticos.

  Categorias: