Intercâmbio entre as Faps consolida pesquisa brasileira

Intercâmbio entre as Faps consolida pesquisa brasileira
maio 25 15:07 2009
Nesta semana, eventos promovidos pelas Fundações de Amparo à Pesquisa de diferentes estados brasileiros mostram a aliança formada em prol da pesquisa nacional
redebio2M

Produção científica cresce 56% no Brasil. Esse dado foi revelado na última semana pelo jornal Folha de São Paulo. De 2007 para 2008, a produção científica brasileira cresceu 56% e o país passou da 15ª para a 13ª colocação no ranking mundial de artigos publicados em revistas especializadas. Em conformidade com o aumento dessa produção, as Fundações de Amparo à Pesquisa do Brasil, responsáveis pelo fomento à pesquisa científica, têm se unido cada vez mais em prol da integração dos pesquisadores dos mais diversos estados brasileiros.

Um exemplo foi o lançamento da Rede de Pesquisa e Desenvolvimento de Biocosméticos (Redebio) em Belém (PA), no último dia 07. A reunião aconteceu no Hilton Hotel, com a presença dos representantes das Fundações de Amparo à Pesquisa do Pará, Amazonas, Maranhão, Acre e das Secretarias de Ciência e Tecnologia do Tocantins, Pará e Amazonas. O encontro contou ainda com a participação de pesquisadores e cientistas com atuação na Amazônia.

O primeiro edital da RedeBio já estará disponível no site da Fapespa e demais instituições envolvidas, a partir do dia 11 de maio. Nos próximos três anos, a RedeBio contará com R$ 6,3 milhões para investimentos em pesquisas de produtos da região. Os recursos são das fundações do Pará (R$ 2,1 milhões), Amazonas (R$ 2,1 milhões) Maranhão (R$ 1,2 milhões) e do Acre (R$ 300 mil) e da Secretaria de Ciência e Tecnologia do Tocantins (R$ 600 mil). Com a expectativa de abrir caminhos para a competitividade no setor de biocosméticos nestas regiões, a RedeBio é considerada inovadora em vários sentidos.

É uma iniciativa de parceiros que se empenharam para juntar recursos e competência; já há sinalização para se articular um segundo edital, que complementará as necessidades que vão surgir a partir do primeiro; é uma iniciativa que parte da própria região, representando um modelo de redes de pesquisa, algo inovador no Brasil. “Espero que esta ação seja caminho para outras semelhantes, principalmente envolvendo Pará e Amazonas, responsáveis também pela articulação da Rede Malária”, disse o presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Amazonas, Odenildo Sena.

A diretora-presidente da Fapema, Profª Drª Rosane Guerra, esteve na reunião e registrou a importância do trabalho integrado entre as Fundações. “É muito importante trabalhar em rede, não só para a Fap do Maranhão, mas para o Estado em sua totalidade. Temos, assim, a possibilidade de somarmos competências e não só olharmos para a biodiversidade da nossa região como um potencial, mas buscando o melhor emprego dela. Também acredito que este seja o caminho mais curto para fazer com que estes estados possam corrigir ou pelo menos trabalhar para reduzir estas assimetrias sociais que existem de fato”.

Parcerias – O diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação da Secretaria de Ciência e Tecnologia do Tocantins, Alan Rickson Andrade de Araújo, acredita na rede. “A possibilidade de colocarmos os nossos pesquisadores em laboratórios de ponta, que existem em estados mais consolidados, e integrar toda a região norte que, apesar de termos já alguns estados mais desenvolvidos, é uma região que ainda carece de investimentos na área da ciência e tecnologia, é de grande valia. Isso vem provar que, apesar dos poucos investimentos, os estados conseguem se mobilizar para criar uma política de ciência e tecnologia e na ponta conseguir gerar o desenvolvimento econômico e social”.

Já o Estado do Acre, representado pela Diretora Técnica da Fap, Tânia Lúcia Guimarães, vê na participação da rede uma grande oportunidade de interação com pesquisadores de toda a região e também de otimizar a utilização dos recursos que hoje estão aplicados no apoio a projetos de pesquisa. “Há uma grande expectativa em função da disponibilização deste edital para elaboração das propostas. O Acre entra na rede com recursos pequenos, mas com possibilidade de crescimento e uma avaliação dos resultados para aplicar mais recursos ainda nesta área”.

Integração com a FINEP – Nesta semana, outro evento também movimentou a agenda científica do país. No dia 05 de maio, a Fundação de Amparo à Pesquisa da Bahia sediou um encontro para divulgação da chamada pública Tecnologias para o Desenvolvimento Social, iniciativa do Ministério de Ciência e Tecnologia e da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP). Participaram do evento representantes dos estados do Rio Grande do Norte, Alagoas, Bahia, Sergipe e Rio de Janeiro. Na ocasião, o Maranhão foi representado pela Profª Drª Rosane Guerra.

O objetivo da chamada é selecionar propostas visando ao apoio financeiro para a execução de projetos de tecnologias que gerem desenvolvimento social, contemplando as seguintes linhas temáticas: Desenvolvimento de Tecnologia Social em contextos produtivos de empreendimentos econômicos solidários, em territórios urbanos ou rurais, que contribuam para a redução da pobreza e das desigualdades sociais e para o desenvolvimento territorial sustentável e solidário; Implantação de Centros de Inclusão Digital em territórios rurais, que contribuam para a democratização do acesso às tecnologias de informação e comunicação. O edital está disponível no endereçohttp://www.finep.gov.br//fundos_setoriais/acao_transversal/editais/Chamada_Desenvolvimento_%20Social_2009.pdf.

Núcleo de Difusão Científica – Fapema

  Categorias: