Mais recursos destinados à pesquisa científica no Estado

Mais recursos destinados à pesquisa científica no Estado
agosto 10 18:53 2009

A decisão da governadora Roseana Sarney de equiparar as bolsas da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema) às bolsas da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), anunciada no último dia 04, repercutiu no meio acadêmico. A medida beneficia alunos DSC02567modifmaranhenses matriculados em programas de Pós-Graduação, Mestrado e Doutorado.

Esta é a segunda boa notícia dada aos pesquisadores maranhenses nas últimas duas semanas. Do dia 27 de agosto, como parte das ações do governo com o objetivo de apoiar atividades de pesquisa cientifica, tecnológica e de inovação, foram lançados dez editais de fomento à pesquisa que somam recursos no valor de R$ 3,9 milhões. Alguns dos projetos são resultados de parcerias entre a Fundação a Capes, e os Ministérios da Ciência e Tecnologia e da Saúde.

“Por determinação da governadora Roseana Sarney, estamos trabalhando no sentido de ampliar o número de bolsas para pesquisadores maranhenses e com isso incentivar novas pesquisas no Estado”, conta a diretora-presidente da FAPEMA, Rosane Nassar Meireles Guerra. 

A equiparação das bolsas é uma reivindicação antiga dentro das universidades e foi anunciada pelo secretário de Ciência e Tecnologia, Waldir Maranhão. Os novos valores começam a ser pagos a partir de setembro. “A governadora não está medindo esforços no sentido de proporcionar todas as condições para que os pesquisadores maranhenses tenham condições de desenvolver seus trabalhos”, afirmou Waldir Maranhão durante o Fórum de Secretários de Ciência e Tecnologia do Nordeste, realizado semana passada, em São Luís.

No caso das bolsas de mestrado, que eram na faixa de R$ 800,00 e R$ 940,00 reais, passam a ser de R$ 1.200,00, de forma linear. E as bolsas de doutorado, que eram de R$ 1.185,00 (na sede) e R$ 1.394,00 (fora da sede), passam a ser de R$ 1.800,00, também de forma única.

Na opinião do reitor da Universidade Estadual do Maranhão, José Augusto Silva Oliveira, “o alinhamento no valor das bolsas da Fapema ao parâmetro nacional representa um passo significativo no sentido de valorizar o pesquisador maranhense”.

Para a pró-reitora de Assuntos Estudantis e Extensão da Uema, Grete Soares Pflueger, a Fapema, na gestão da governadora Roseana Sarney, vem dando grandes avanços. “A presidente da Fapema, Rosane Guerra, que também é uma pesquisadora, vem demonstrando sensibilidade com os profissionais que produzem ciência e tecnologia”.

A iniciativa da governadora Roseana Sarney de elevar os valores das bolsas da Fapema, para o reitor da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Natalino Salgado, é um grande incentivo aos pesquisadores da universidade. “Veio, justamente, no momento em que essa universidade está aumentando o seu quadro de docentes doutores. Nesses 18 meses, conseguimos elevar o percentual de professores, dentro de nossa universidade, de 30 para 40% e a nossa meta é erguer esse percentual para 50%. Essa massa crítica vai incrementar muito o desenvolvimento da pesquisa. E isso vai contribuir com os projetos de governo, no momento em que o Maranhão vem alcançando progresso da exploração sustentada de suas potencialidades”.

Natalino Salgado destaca a necessidade de gerar profissionais qualificados, capazes de assumir os trabalhos gerados por empreendimentos como a refinaria de petróleo que a Petrobrás vai instalar no município de Bacabeira.

“A decisão da governadora Roseana Sarney em prestigiar a Fapema com mais verbas demonstra o seu compromisso em gerar profissionais capacitados para trabalhar nos grandes projetos econômicos que serão implantados no Maranhão”, destaca o reitor da Universidade federal do Maranhão.

DSC0245modifPara a pesquisadora Terezinha Rêgo, doutora em Botânica e Fitoterapia, os investimentos que estão sendo feitos pelo governo nesta área vão melhorar o trabalho que já vem sendo desenvolvido por pesquisadores maranhenses. A equipe de pesquisadores coordenada por ela é formada por 16 bolsistas. “Muitos pesquisadores têm dificuldade em desenvolver seus trabalhos por falta de um apoio maior. O trabalho de pesquisa que estamos fazendo, por exemplo, necessita de viagens constantes para o interior do Estado, o que demanda gastos que muitas vezes os pesquisadores não têm condições de arcar”, observa. “Só temos que apoiar iniciativas como essa que demonstram o comprometimento com o desenvolvimento da pesquisa no estado”, completou Terezinha.    

Para a mestranda do programa de pós-graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense, Pamela Pinto, bolsista da Fapema, a notícia de equiparação das bolsas é uma resposta do governo aos anseios dos pesquisadores maranhenses que têm um papel importante no desenvolvimento do Estado. “O retorno desse financiamento será sentido na melhoria das condições de vida do povo maranhense, beneficiado com pesquisas que estão em estudo”, observou.  

  Categorias: