Pesquisa quer tornar possível o uso do bio-óleo como combustível automotivo

Pesquisa quer tornar possível o uso do bio-óleo como combustível automotivo
fevereiro 13 19:37 2015

como-economizar-combustivel6O Bio-óleo é uma fonte renovável de energia promissora que vem recebendo grande reconhecimento mundial por suas características combustíveis, sendo empregado em caldeiras, motores, turbinas a gás e outros ramos da indústria química. No entanto, o bio-óleo não pode ser empregado diretamente como combustível em substituição ao diesel em motores à combustão.

Essa limitação, dizem os especialistas, está associada à sua alta viscosidade, elevado nível de água e cinzas, baixo poder calorífico, instabilidade e alta corrosividade. Para que possa ser utilizado como combustível líquido ou como matéria-prima para outras aplicações, o bio-óleo precisa passar por melhoramentos. Daí a importância de estudos envolvendo esse tema, entre eles o do professor Dr. Wendell Ferreira de La Salles, da Universidade Federal do Maranhão, e que conta com o apoio da FAPEMA por meio do Edital Universal nº 001/2014.

A pesquisa coordenada pelo professor Wendell Ferreira tem como foco principal tornar o bio-óleo obtido a partir de biomassa (especificamente aquele obtidos por pirólise) capaz de ser empregado como combustível automotivo. “Para alcançar esse objetivo, estamos apostando no uso de sistemas microemulsionados, que teriam a finalidade de promover a solubilização deste bio-óleo no óleo diesel. Na verdade, de apenas alguns constituintes presentes no bio-óleo”, explicou o professor.

Mesmo com o estudo ainda no início, os pesquisadores já conseguiram obter resultados que comprovam a viabilidade da metodologia. De acordo com Wendell Ferreira, o problema é que é preciso extrair do bio-óleo apenas os constituintes que interessam. “Não é interessante solubilizar o bio-óleo integralmente no óleo diesel, pois agindo assim traremos também os problemas associados à presença de certos constituintes que compõem o Bio-óleo”.

Há relatos na literatura de Bio-óleos que dão conta que estes foram obtidos por pirólise da biomassa com até 40% de água. Essa quantidade de água solúvel em diesel não interessa aos pesquisadores, pois isso acarretaria em uma queda no poder calorífico do combustível. Apesar das dificuldades e desafios, a pesquisa do professor Wendell Ferreira ganha cada vez mais importância nos dias atuais, em um cenário de instabilidades quanto aos combustíveis mais utilizados pelos brasileiros.

“Além de contribuir para o controle dos impactos ambientais associados ao descarte destes resíduos, o desenvolvimento de tecnologias que visem o aproveitamento de resíduos sólidos (biomassa residual) como fonte energética promove a geração indireta de energia. Uma destas possibilidades é a produção de bio-óleo por meio da pirólise rápida da biomassa”, declarou o professor.

A pesquisa conta com a participação dos professores Kátia Simone Teixeira da Silva de La Salles, Aldaléa Lopes Brandes Marques e Edmar Pereira Marques, ambos de Departamento de Tecnologia Química da UFMA. Também atuam como colaboradores externos a professora Simoni Margareth Plentz Meneghetti, da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), e o professor Alexandre Gurgel, da Universidade Federal de Viçosa (UFV).

  Categorias: