Identidade e cultura da Madre Deus, em São Luís, é resgatada por estudantes de Turismo

Identidade e cultura da Madre Deus, em São Luís, é resgatada por estudantes de Turismo
agosto 12 18:01 2013

DSC01747

Informar, valorizar e reconhecer o lugar onde se vive. Essa ideia transformou o modo como a comunidade do bairro Madre Deus, em São Luís, observasse e cuidasse do seu patrimônio cultural. Um projeto estimulou o sentimento de identidade entre a comunidade e a preservação da sua história, e assim, permitiu, de forma espontânea, que o bairro se tornasse mais um importante atrativo turístico da capital maranhense.

A pesquisa desenvolvida por Ildeneia Borges Abreu, e articulada pelo curso de Turismo da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), fez um levantamento da história da comunidade, criou um acervo fotográfico com patrimônio material e imaterial do bairro, promovendo exposições dessas imagens ao público em geral. O projeto trabalhou com jovens, que receberam treinamento e se tornaram agentes culturais da Madre Deus.

O projeto, que foi apoiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (FAPEMA), por meio do edital Bolsa de Iniciação a Extensão (Edital BEX-nº21/2012), e que conta, ainda, com o suporte do Espaço Integrado do Turismo (ESINT) da UFMA, identificou o que é visto pela comunidade da MadreDeus como cultura, povos tradicionais, bumba meu boi, as fábricas antigas e o cemitério. Logo depois, foram oferecidas 10 oficinas, onde se falava sobre cultura, turismo, a importância da preservação do patrimônio histórico e a manutenção da cultura tradicional.

“Fizemos fotografias das manifestações culturais da Madre Deus e expomos no CEPRAMA. As fotografias fazem parte do banco de dados do projeto. Nele temos o centro cultural, a casa barriga, blocos tradicionais, quadrilhas eas principais informações que temos são: quem organizou a brincadeira e como é feita a manutenção”, comentou a estudante do curso de Turismo, Ildeneia Abreu. DSC01722

Segundo Ildeneia, foram oferecidos também dez estudos pedagógicos para estudantes e “nesses estudos levávamos os alunos aos locais como a Fábrica São Luís que esta fechada, o CEPRAMA e na frente de um dos bois mais antigos do bairro, que tem 123 anos, na Companhia Barrica, que é um espaço que pode ser utilizado até para questão do turismo”, explicou a estudante.

A meta do projeto era formar 20 agentes culturais, mas a procura foi 40% maior do que o esperado. Esses agentes obtiveram não só informações sobre o bairro madre deus, mas também souberam como conseguir patrocínio do governo federal por meio da lei de incentivo à cultura. “O nosso é objetivo é torná-los multiplicadores de informação, esperamos que repassem o que lhes foi ensinado. Falamos um pouco sobre a lei, de como funciona e explicamos que se os próprios membros da Madre Deus se organizarem poderão conseguir patrocínio”, afirmou Ildeneia Abreu.

Além dos moradores da Madre Deus, o projeto abriu inscrições também para os alunos da escola estadual Bernardo Coelho de Almeida, que receberam conhecimento junto à comunidade, tiverame ajudaram a ter uma nova mentalidade, uma nova cultura, evidenciando as potencialidades de turísticas do bairro a quem visitava.

  Categorias: