Pesquisadora pretende melhorar a qualidade de vida de pacientes com Diabetes

Pesquisadora pretende melhorar a qualidade de vida de pacientes com Diabetes
junho 09 16:37 2014

diabetesNas últimas décadas, o Diabetes Mellitus tem se tornado um sério e crescente problema de saúde pública, devido ao aumento de sua prevalência, morbidade e mortalidade.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, mais de 346 milhões de pessoas no mundo têm a doença. Caso não haja nenhuma intervenção, este número provavelmente dobrará até2030.

Pensando nisso, a pesquisadora Ana Helia de Lima Sardinha está desenvolvendo, com o apoio da FAPEMA,o estudo “Educação em saúde: promovendo o autocuidado ao paciente com diabetes mellitus”.

O trabalho visa a promover a educação em saúde aos pacientes portadores de Diabetes Mellitus, seus familiares e à comunidade em geral.

De acordo com a pesquisadora, os índices relacionados ao Diabetes, poderiam ser consideravelmente reduzidos se os cuidados com a Promoção de Saúde, Prevenção Primária e Secundária a esse distúrbio fossem efetivados.

“A educação para o autocuidado compreende aspectos psicossociais e culturais, sendo de grande relevância para informar, motivar e proporcionar para o paciente e sua família umamelhor convivência diante desta condição crônica, reforçando em cada consulta a percepção de risco à saúde, o desenvolvimento de habilidades e a motivação para superar esse risco”, explicou.

Segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes, o Diabetes Mellitus não é uma única doença, mas um grupo heterogêneo de distúrbios metabólicos que apresenta em comum a hiperglicemia, que é resultado de defeitos na ação da insulina, na secreção de insulina ou em ambos.

A doença pode causar cegueira, insuficiência renal, riscos de infarto do miocárdio ou acidente vascular cerebral e, ainda, problemas isquêmicos e infecciosos das extremidades.

De acordo com o Ministério da Saúde, as ações de assistência prestada a esses pacientes são por meio da rede básica de saúde que tem como estratégia prioritária a saúde da família.

Para o órgão, compete ao enfermeiro realizar assistência integral às pessoas e famílias na unidade de saúde da família e, quando indicado ou necessário, no domicílio ou nos demais espaços comunitários.

Também é de competência do profissional realizar consultas de enfermagem, solicitar exames complementares e prescrever medicações, observadas as disposições legais da profissão e conforme os protocolos ou outras normativas técnicas estabelecidas pelo Ministério da Saúde, entre outras atribuições.

A partir disso, Ana Helia de Lima Sardinha pretende, com a pesquisa,identificar os fatores de risco e agravos à saúde da população com diabetes mellitus,orientar os diabéticos quanto às estratégias de autocuidado para os agravos identificados,alertar os pacientes sobre as possíveis complicações do diabetes mellitus e ensiná-los como reconhecer essas complicações, entre outras coisas.

A pesquisadora deixa claro que o enfermeiro através da consulta de enfermagem proporciona educação em saúde para esses usuários, ensinando práticas de autocuidado, orientações quanto ao estilo de vida, controle da glicemia, administração de insulina.

Dessa forma, estimulando a adesão ao tratamento, realizando o exame físico minucioso, monitorando fatores de riscos e minimizando complicações, medidas que ajudam o paciente a conviver melhor com a sua condição crônica.

“Assim, cabe aos profissionais de enfermagem a importante função de cuidar, acompanhar e orientar os pacientes portadores de Diabetes Mellitus, a família e a comunidade em geral, para o alcance de uma vida mais saudável”, concluiu a pesquisadora que é Enfermeira e doutora em Ciências Pedagógicas.

  Categorias: