Presença de agrotóxicos tem gerado alterações químicas em vegetais no sul do Maranhão

Presença de agrotóxicos tem gerado alterações químicas em vegetais no sul do Maranhão
setembro 18 12:16 2013

100 2633

Você já pensou no impacto que os agrotóxicos contidos nos alimentos podem causar a sua saúde e ao meio ambiente? Anualmente, segundo dados do Ministério da Saúde, cerca de 400 mil pessoas são contaminadas por agrotóxicos no Brasil.

Em Imperatriz, vegetais como o pimentão e o tomate estão sendo analisados com o intuito de observar quais são as alterações que os agrotóxicos podem gerar nesses alimentos. Essas análises estão ocorrendo por intermédio de uma pesquisa financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão – FAPEMA e coordenada pelo professor doutor, Alan Bezerra Ribeiro da Universidade Federal do Maranhão – UFMA, campus Imperatriz.

O estudo mencionou que a cidade de Imperatriz é uma das grandes produtoras e distribuidoras de hortaliças para a região do sul do Maranhão. Porém, o cultivo desses produtos, na maioria das vezes, é feito com o uso abusivo de agrotóxicos, o que pode gerar impactos negativos para seus consumidores.

A pesquisa adotou como uma de suas bases os dados divulgados pela Agência Nacional de Saúde – ANVISA sobre o monitoramento de agrotóxicos em alimentos pelo Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxico em Alimentos (PARA) de 2008. O relatório constatou que o pimentão é um dos vegetais mais contaminados com esses resíduos, com 64,36% das amostras analisadas. Além deste, o tomate também foi um dos que obtiveram alto índice de contaminação, com 18,27% das amostras analisadas contaminadas.

Diante deste fato, os pesquisadores tomaram como elementos de análise, pimentões e tomates que foram cultivados pelos profissionais de agronomia da Universidade Estadual do Maranhão – UEMA, campus Imperatriz, que atuaram em parceria ao projeto. Uma parte dos vegetais foi plantada com o uso de agrotóxicos e outra parte não recebeu essas substâncias. Essa estratégia foi adotada para que fosse possível perceber as alterações ocorridas nos vegetais com agrotóxicos.

O estudo afirmou que os alimentos possuem compostos químicos naturais que podem funcionar como fontes de nutrientes para o ser humano. Com o uso de agrotóxicos esses compostos podem ser modificados. O pesquisador Alan Bezerra, comentou sobre esses impactos: “Os compostos químicos tem sofrido alteração química pelos agrotóxicos, de forma que aumentam e até transformam esses compostos. Nós estamos observando quais as reações que são causadas nesses alimentos e já temos constatado que pelos menos 3 a 4 substâncias que não são naturais a eles estão sendo produzidas por causa dos agrotóxicos”, declarou.

Logo após o cultivo do pimentão e do tomate, a equipe realizou análises laboratoriais, utilizando a técnica de cromatografia, que consiste na separação das substâncias presentes no alimento. Com essa separação será possível realizar uma análise mais detalhada de cada substância para que se perceba os impactos que elas podem vir a causar no ser humano e no meio ambiente. Os pesquisadores, que integram o grupo de pesquisa “Estudos químicos, físicos e biológicos de produtos de interesse da indústria de alimentos” da UFMA – Imperatriz pretendem estender os estudos, analisando outros vegetais que também contenham alto índice de agrotóxicos.   

  Categorias: