Publicações resgatam a tradição

Publicações resgatam a tradição
agosto 20 18:32 2009

Entrevista com Ariano Suassuna, texto com inventores potiguares como Abraham Palatnik e Augusto Severo e artigos complexos como o escrito por Vicente Serejo estão nas novas edições da revista Ciência Sempre. Além das revistas – números 12 e 13 – a Fapern lançará também o livro “Bom Dia Literatura Oral”, organizado por Helder Macedo – que trata da preocupação do folclorista Luís da Câmara Cascudo acerca dos estudos ligados à cultura oral do estado – e plaquetes sobre o patrimônio cultural do RN.   artigos

A edição de número 12 da revista Ciência Sempre aborda a temática da Ciência do Povo. A expressão Ciência do Povo foi difundida por Câmara Cascudo para identificar o conhecimento popular, também conhecido como senso comum, conhecimento vulgar ou etno conhecimento. A revista traz uma entrevista com o dramaturgo Ariano Suassuna e artigos de professores e pesquisadores de instituições como a UFRN e outras. Os textos são derivados do seminário Ciência do Povo realizado pela FAPERN em 2008, vinculado ao Programa Monumenta do Ministério da Cultura (MinC) e IPHAN, com apoio da UNESCO e recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e Governo do Estado do Rio Grande do Norte.

Os temas abordados cobrem um vasto leque de estudos que relacionam a ciência do povo (hoje, vista como patrimônio imaterial de determinado grupo ou região) à ciência “acadêmica”: etno astronomia, etno medicina, educação popular e saúde, medicina popular no litoral e sertão, conhecimento da caatinga e de ambientes pesqueiros, rezadeiras e aplicação de princípio ativo de plantas para concepção de medicamentos. Destaque da revista é a conferência de encerramento do seminário, de autoria de Glenn Harvey Shepard Jr.,  norte-americano radicado no Brasil, etnobotânico e pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) onde estuda as relações entre o etno conhecimento e o conhecimento científico.

No artigo à Luz dos Clássicos, Vicente Serejo aborda a trajetória do livro Tradição, Ciência do Povo, de Câmara Cascudo. Serejo afirma que “o título é conceitual. Tem a marca e a clareza do estilo cascudiano e na sua síntese perfeita o timbre da concisão jornalística, sua primeira escola como escritos.”

Já a edição 13 da Ciência Sempre tem como tema os Inventores Potiguares, centrando suas atenções nas figuras singulares de Abraham Palatnik e Augusto Severo. A revista traz uma entrevista com o próprio Abraham Palatnik, nascido no Rio Grande do Norte, que participou do seminário “O Invento e o Inventor” realizado pela FAPERN em 2008. O seminário celebrou a importância de Palatnik como precursor da arte cinética, cujos desdobramentos se fazem sentir até hoje na arte contemporânea. A revista está estruturada em dois blocos. O primeiro compõe-se de depoimentos de pesquisadores e professores discutindo Abraham Palatnik e a arte cinética, ao que se juntam resenhas e críticas feitas por estudiosos do mundo das artes. O segundo bloco aborda Augusto Severo, também potiguar e pioneiro da dirigibilidade do balão, tendo dado contribuições imprescindíveis para a navegabilidade do dirigível a partir de sua experiência com o balão Pax. A biografia e a contribuição desses dois inventores está ressaltada nas páginas do dossiê, que reporta-se às invenções enquanto patrimônio imaterial dos norte-riograndenses e marco no processo de inovação – seja tecnológica, no caso de Severo, seja artística, no caso de Palatnik.

Outros Patrimônios

O Projeto Outros Patrimônios é uma continuação do Projeto Patrimônio Cultural Potiguar em Seis Tempos realizado em 2006. O projeto teve como meta fazer um e levantamento do inventário do patrimônio cultural do Rio Grande do Norte. Como forma de disponibilizar para o grande público o resultado desse projeto a Fapern promove o lançamento de quatro plaquetes e o mapa de localização, além de um banco de dados. Estão relacionados as “festas populares”, “arte popular”, “ofícios do povo” e o “paladar potiguar”.

Livro

Resultado do Seminário Bom Dia Literatura Oral, realizado em 2006 pela Fundação José Augusto, sob a coordenação da então presidente Isaura Rosado, a obra trata da preocupação do folclorista Luís da Câmara Cascudo acerca dos estudos ligados à cultura oral do estado. Professores, intelectuais, historiadores, folcloristas e membros de segmentos religiosos participaram do seminário, prestando suas contribuições, que integram o livro. Entre os principais colaboradores do projeto estão: Deífilo Gurgel, folclorista potiguar de renome; Diógenes da Cunha Lima, da Academia Norte-rio-grandense de Letras; Mundicarmo Ferretti, professora da Universidade Federal do Maranhão (UFMA); e Roberto Benjamin, professor da Universidade Federal de Pernambuco e membro da Comissão Brasileira de Folclore. “O livro reaviva os estudos sobre a cultura oral e a importância disso para o cotidiano das pessoas”, disse o organizador Helder Macedo.

 

 

  Categorias: