Radiação de celulares protege nossa memória?

Radiação de celulares protege nossa memória?
maio 05 14:13 2010

Depois de anos lutando contra alegações de que o uso frequente de um telefone celular causar tumores cerebrais, os representantes das indústrias de telefonia celular podem receber boas notícias. Um novo estudo sugere que a radiação desses aparelhos pode realmente ter um efeito benéfico biológico contra a doença de Alzheimer em camundongos expostos à radiação durante duas horas diárias.

Cientistas da Universicelularmatty of South Florida realizaram os testes com ratos que geneticamente predispostos a desenvolver a doença e os problemas de memória decorrentes. Com base em pesquisas anteriores, os pesquisadores puderam supor que a radiação dos telefones aceleraria a progressão da doença, pois outros tipos de radiação causam danos com os radicais livres. A equipe usou uma antena para expor alguns ratos a ondas eletromagnéticas, equivalentes a duas horas de uso diário de celular. Para surpresa dos cientistas, os ratos que receberam as doses da radiação não sofreram perda de memória quando envelheceram ─ ao contrário dos outros tipos de radiação. Ratos expostos a ondas de telefone celular mantiveram a capacidade da juventude para percorrer um labirinto já conhecido e após um tempo em outros labirintos diferentes.

Pesquisadores acreditam que a radiação impediu o acúmulo de placas amiloides, agregados de proteínas que são encontrados em cérebros de pessoas com Alzheimer. Sugerem que esse estudo pode levar a um tratamento que bloquearia o processo da doença.

Estudos com camundongos são sempre preliminares: muitas possibilidades de tratamento que parecem ser promissoras em roedores não funcionam em seres humanos. Mas o estudo também levanta dúvidas sobre a alegação da indústria de telefonia celular de que as emissões de seus produtos são fracas demais para causar qualquer efeito biológico. Embora a relação com tumores cerebrais ainda seja questionável, o novo trabalho sugere que celulares podem de fato mexer com nossas mentes.

  Categorias: