Trabalho multidisciplinar em Imperatriz inova no acompanhamento à pacientes com labioleporino

Trabalho multidisciplinar em Imperatriz inova no acompanhamento à pacientes com labioleporino
setembro 30 18:45 2013

labioleporino baby

A fissura labiopalatina, também chamada de lábio leporino, é uma abertura que inicia na lateral do lábio superior e divide o lábio em duas partes. Em casos mais complexos, a fissura pode se estender atingindo a gengiva, o maxilar e o nariz. É uma consequência de má formação congênita ocorrida entre a quarta e a oitava semana de desenvolvimento embrionário, causando implicações funcionais, estéticas e psicossociais.

O lábio leporino atinge um a cada 650 nascimentos em média no Brasil. E para tentar melhorar o atendimento, a Associação Maranhense da Alegria, conhecida como Centrinho Imperatriz usa um novo equipamento de marcação em GPS, onde as casas dos pacientes são idenificadas e as coordenadas são passadas para as unidades de atendimento de saúde. Esse trabalho é desenvolvido pelo odontólogo Leonilson Gaião de Melo, que recebeu recursos financeiros da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão – FAPEMA por meio do edital de Apoio a Projetos de Extensão – AEXT (nº 021/2011).

Ao observar que alguns pacientes, que tinham suas cirurgias e os tratamentos clínicos agendados, não compareciam ao tratamento, a equipe de profissionais que atua no projeto articulou o controle de cada paciente junto a unidade de atendimento de saúde. “Através do GPS as casas dos pacientes são marcadas e nós passamos essas coordenadas para as unidades de atendimento de saúde. Se o paciente tem o procedimento marcado, e ele não comparece, a unidade básica de saúde é informada sobre o andamento desse tratamento. Isso faz com que os pacientes tenham um tratamento com menos falhas e mais humanizado”, relatou o pesquisador.

Leonilson destaca que pacientes com labioleporino possuem dificuldades na mordida e na fala, além dos problemas estéticos. O Centrinho possui hoje 200 pacientes cadastrados, dos quais 120 já passaram por suas cirurgias. O tratamento é multidisciplinar e envolve dentistas, médicos, nutricionistas, psicólogos, fonoaudiólogos e assistente social. “O nosso trabalho é de extensão, propriamente, ele vem qualificar esse atendimento. Faz com que esse atendimento seja possível, seja facilitado para que não tenha quebras. Ele vai fazer justamente com que não tenham faltas e menos índice de desistência. Estamos conseguindo atingir esse objetivo”, afirmou, entusiasmendo, o pesquisador.

O Centrinho Imperatriz atende desde recém-nascidos até idosos e está localizado no hospital escola da Faculdade de Imperatriz – FACIMP, onde são realizados os procedimentos clínicos. Já as cirurgias, como explica Leonilson, “são realizadas no hospital municipal de Imperatriz”, onde há “uma enfermaria buco-maxilo facial infantil, na qual ajudamos a fazer a reforma”. Ainda segundo Leonilson, os pacientes recebem toda atenção e cuidados necessários nas instalações. “Hoje, temos uma parceria com a secretaria municipal de saúde, onde tivemos a compra de vários equipamentos para cirurgias, temos o serviço de ortodontia em parceria com Associação Brasileira de Odontologia (ABO), além da parceria com a UNISULMA, uma outra faculdade, que semestralmente fazemos edital e seleciona alunos que não são bolsistas na área de nutrição e serviço social.”

Saiba mais sobre essa pesquisa e como fazer o agendamento para consultas no Centrinho ouvindo o Rádio Inovação desta segunda-feira, disponível no portal FAPEMA.

  Categorias: