Trabalho voltado para a comunicação muda a realidade de jovens carentes da Vila Embratel, em São Luís

Trabalho voltado para a comunicação muda a realidade de jovens carentes da Vila Embratel, em São Luís
julho 16 18:28 2013

 Artividade artística - Pintura de painel

Um projeto intitulado “Meios de Comunicação e Cultura de Paz: as formas de expressão dos jovens da Vila Embratel”, conhecido como Comunicapaz, tem mudado a realidade de jovens de 14 a 25 anos que vivem no bairro, um dos mais violentos de São Luís. O projeto, coordenado pela professora Vera Sales Rolim, do departamento de Comunicação da Universidade Federal do Maranhão – UFMA já atendeu 150 jovens trabalhando as diferentes formas de comunicação: vídeo, rádio, jornal, fotografia e web na busca de criar espaço para os anseios dos adolescentes de afirmar suas identidades e revelarem suas vocações.

“Um projeto como o Comunicapaz assume importância na medida em que mostra que é possível investir nos jovens da periferia que tem poucas oportunidades de lazer ou mesmo de usufruir as atividades culturais, como frequentar cinemas, teatros ou espetáculos artísticos de modo geral, trabalhando a linguagem audiovisual e artística de forma educativa, ou seja, utilizando para isso os princípios da cultura de paz. Por meio das oficinas de capacitação, os jovens têm a oportunidade de conhecer os valores da cultura de paz e, assim, disseminar esses valores na comunidade onde vivem.

Outro aspecto do projeto, que tem o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão – FAPEMA, segundo Vera Sales, é que o jovem do Comunicapaz passa a ser visto e ouvido e não mais estigmatizado pela mídia local que o enxerga como marginal ou bandido, só pelo fato de morar na Vila Embratel, o que foi bastante trabalhado através da música, da dança e do teatro do oprimido.

Metodologia – na primeira fase do projeto foram realizadas oficinas de linguagem audiovisual e artística, estimulando que os jovens se apropriassem das técnicas e passassem a criar seus próprios produtos. “De início procuramos trabalhar a ideia de paz, tomando como ponto de partida minha tese de doutorado intitulada ‘Jovens, imaginário de paz e televisão’, onde os jovens pesquisados revelaram que a mídia local reforça o estigma de violência no bairro da Vila Embratel e daí a necessidade de se trabalhar conteúdos voltados para a cultura de paz”, conta a professora Vera Sales.

Como resultado os jovens produziram vídeos, programas de rádio, peças de teatro, grafites, fanzines e blogs já baseados naqueles princípios. Todo esse material foi coletado e representa fonte de pesquisa para o grupo de trabalho. Ainda durante o trabalho foram oferecidas pelo projeto outras modalidades de oficinas, que foram sugeridas pelo público atendido, tais como produção textual e dança afro. As oficinas aconteceram no Núcleo de extensão da UFMA localizado na Vila Embratel.
Para ampliar a comunicação com os jovens do Comunicapaz, os alunos do grupo de trabalho criaram um blog www.comunicapaz.blogspot.com e uma fanpage no face book. Tais ferramentas têm contribuído muito para fortalecer a comunicação virtual em rede. A professora Vera Salles conta que depois do I Colóquio Internacional realizado em novembro do ano passado, um grupo de pesquisadores franceses chegaram a comentar que tinham muito a aprender com os maranhenses.

“No momento, está em fase de produção uma oficina de fotograma destinada aos jovens do projeto e que está sendo ministrada pelos alunos do departamento de comunicação social. Estamos também aguardando o retorno de alguns editais onde o projeto Comunicapaz se inscreveu”, conta a pesquisadora, que ainda destaca que o trabalho já foi apresentado no exterior, no encontro denominado Performing the World, em Nova York.

  Categorias: